O colesterol bom é o HDL (High Density Lipoprotein – Lipoproteínas de Alta Densidade), e o ruim é o LDL (Low Density Lipoprotein – Lipoproteínas de Baixa Densidade). O HDL é considerado bom porque tem a função de retirar o excesso de colesterol do corpo e levá-lo até o fígado. E o fígado, por sua vez, metaboliza estes excessos e os elimina. Já o LDL faz o contrário, leva esse colesterol para os tecidos e, com isso, pode favorecer o acúmulo de placas de gorduras nas artérias.

O excesso de colesterol ruim no organismo favorece o acúmulo de placas de gorduras nas partes interna das artérias, e diminui o fluxo sanguíneo para órgãos importantes como o cérebro e o coração. Por isso o conceito está sempre tão associado às doenças do coração como AVC (Acidente Vascular Cerebral) e infarto.
O colesterol é encontrado nos alimentos de origem animal: leite e derivados (queijo amarelos, creme de leite, manteiga), carnes vermelhas, pele de aves, bacon, embutidos (presunto, salame, mortadela), gema de ovo, vísceras (fígado, coração, moela) frutos do mar (lagosta, camarão, ostra, marisco).

Não precisamos querer zerar o colesterol ruim e tentar somente ter o bom, porque o que vale aqui é o EQUILÍBRIO!!!

Porém, na alimentação, é interessante, sim, evitar o consumo da gordura trans, encontrada especialmente em produtos ultra processados como: bolachas recheadas, salgadinhos, embutidos (salsicha, salame, linguiça, mortadela), caldos de carne industrializados, comidas congeladas prontas, etc. E também evitar excessos! Importante priorizar alimentos que venham da gordura de alimentos naturais como, por exemplo: nozes, abacate, peixes como salmão, atum e sardinha, azeitona, sementes de girassol, entre outros. Também alimentos como frutas, cereais integrais e legumes.